Início > Noticias > Sidney anuncia criação da maior rede de sinais de trânsito em braile

Sidney anuncia criação da maior rede de sinais de trânsito em braile

A cidade mais populosa da Austrália promete desenvolver a rede mais extensa de sinais em braile do mundo. Interativos e fáceis de acompanhar, os símbolos vão conectar todos os pontos de Sidney.

Já foram testados diversos elementos como texto, tamanho da fonte, cores, legibilidade e layout para implantação. Nesta primeira etapa do projeto, a ideia é que 38 protótipos sejam instalados ao longo de uma rota de pedestres no centro da cidade.

Os resultados da primeira fase serão utilizados para refinar o projeto antes da aplicação de cerca de dois mil sinais táteis em todas as faixas de pedestres da cidade.

"Ser capaz de se locomover com segurança e com confiança é muito importante", afirmou Michael Simpson, da ONG Vision Australia - que presta serviços para pessoas com deficiência visual-, em entrevista ao Cities Today. "Os sinais propostos melhorarão o acesso de milhares de pessoas em Sidney e visitantes para a nossa bela cidade que, como eu, são cegos ou com baixa visão."

Além da Vision Australia, a ONG cães-guia também foi consultada e contribuiu com a criação dos elementos táteis adequados nessa primeira etapa. "Braille e sinalização tátil é uma ferramenta valiosa que ajuda a tranquilizar as pessoas com perda de visão de que elas estão indo na direção certa e complementa a assistência que podem obter com uma bengala ou um cão-guia", disse Jennifer Lua, da ONG cães-guia. "Parabenizamos a cidade de Sidney em tomar a iniciativa de garantir que as pessoas com deficiência visual pode se locomover pela cidade mais facilmente e com segurança", concluiu.

Os novos sinais táteis serão registrados em placas de alumínio e junto a elas, ao lado da travessia de pedestres, haverá botões indicando os números e nomes das ruas. As letras em braile terão tamanho grande para facilitar a leitura por pessoas cegas e também por aqueles com baixa visão.

Matéria originalmente publicada no portal co CicloVivo