Início > Noticias > Leis e uso de dados são desafios em mobilidade

Leis e uso de dados são desafios em mobilidade

Desenvolvimento tecnológico é apenas o primeiro obstáculo para veículo autônomo

Bruno Ribeiro, O Estado de S.Paulo

Enquanto os consumidores aguardam o lançamento de carros que dirigem sozinhos, em meio a testes realizados mundo afora, pesos pesados do setor automotivo mundial pensam em questões que vão além do desenvolvimento tecnológico, como a adaptação das legislações para os veículos autônomos, a infraestrutura necessária para o deslocamento e até a segurança das informações gerados. O assunto foi debatido nesta sexta-feira, 26, no Summit Mobilidade Latam 2018, evento promovido pelo Estado em parceria com a 99.

+ 'Mobilidade é mais do que comprar um carro' 

Para Philip Schiemer, presidente da Mercedes-Benz do Brasil e CEO América Latina, a parte técnica da automação dos carros é a mais fácil do processo. As mudanças vão de fato ocorrer nas grandes cidades somente quando as legislações de trânsito se adaptarem à realidade em que o ocupante do veículo não é mais um condutor. Outro aspecto indispensável é a infraestrutura de telecomunicações, que precisa permitir o uso massificado dos novos veículos, pois eles exigem larga troca de dados. De acordo com o executivo, outra questão que deverá ser tratada é a segurança dessas informações.

O presidente da Audi do Brasil, Johannes Roscheck, partilha das preocupações. Ele apresentou aos convidados a visão da montadora alemã para a automação do transporte, mostrando a forma planificada como a empresa vê o tema. Em uma divisão do processo em cinco etapas, em que a última é a automação total, Roscheck posicionou o cenário atual na terceira fase, em que os carros já poderiam ser seguros sem a interferência do condutor em alguns ambientes.

O executivo também partilhou uma visão da empresa para o futuro da mobilidade: os carros voadores. “Estamos trabalhando com a Boeing nisso”, afirmou, ao mostrar um modelo em que os veículos são pequenas cabines que se encaixam tanto em bases com rodas quanto em tetos com hélices.

Realizado em meio à paralisação dos caminhoneiros, que afeta serviços essenciais por todo o País, o evento também discutiu o uso dos combustíveis no futuro. E o consenso ao redor da mudança para carros elétricos também foi a cidade. O presidente da Audi disse que a mudança na matriz “é um processo natural”, que pode ocorrer em maior ou menor prazo. No caso brasileiro, ele disse acreditar que o processo poderá ser mais lento, dada a falta de estrutura nas cidades brasileiras para a recarga dos veículos.

Desenho urbano

Mais cedo, o empreendedor e autor de livros norte-americano Gabe Klein convidou o público a pensar nas mudanças que as transformações na mobilidade devem trazer para o desenho urbano mundial. Ele citou a transformação que as cidades tiveram, em poucas décadas, com a chegada dos carros, que tirou de cena as ruas estreitas dos centros, feitas para pedestres e carroças, para dar lugar a grandes avenidas para automóveis.

Soluções passam também por governo, diz setor privado

A rapidez do setor privado em promover soluções para a mobilidade urbana depende da capacidade dos gestores públicos em planejar as cidades para os próximos anos e em se adequar as novidades que surgem no setor.

Essa é uma das conclusões das palestras ocorridas na tarde desta sexta, no Summit Mobilidade Latam 2018, evento promovido pelo Estado em parceira com a 99, na zona sul da capital.

Um dos que discutiram a relação entre o público e privado no transporte foi o CEO da Azul Linhas Aéreas, John Rodgerson, que destacou a enorme possibilidade de abertura de novos mercados para o transporte em um país grande como o nosso. Sua companhia opera em cem cidades do Brasil, a maioria fora do eixo Rio-São Paulo. Para ele, a expansão de novos destinos esbarra na carência de infraestrutura. “Vamos operar em mais 35 cidades. O problema é que, em algumas delas, os aeroportos ainda não estão prontos.”

Os especialistas presentes também discutiram aspectos dos acidentes envolvendo pedestres e motociclistas – as principais vítimas do trânsito. A coordenadora do Movimento Paulista para Segurança no Trânsito, Silvia Lisboa, lembrou das dificuldades que sistemas tecnológicos ainda têm em prevenir casos envolvendo motociclistas, muitas vezes ligados à imprudência.

“Temos de pensar que a desatenção acontece, o pedestre atravessa fora da faixa. Os sistemas do futuro têm de ser pensados para que esse pedestre não pague com a vida por errar”, disse o coordenador executivo da Iniciativa Bloomberg para Segurança Viária, Pedro Baumgratz.

Matéria publicada na Folha de S. Paulo