Início > Boas Praticas > Plano de Paris Contra o Desperdício de Alimento

Plano de Paris Contra o Desperdício de Alimento

Paris

Continente: 
Europa
País: 
França
População (Ano): 
2.200.000 hab.
Ano População: 
2009
A capital francesa adotou em 2015 um plano de combate ao desperdício de alimentos e iniciou ações concretas para reduzir as perdas.

Descrição:

Estudos da Organização para a Alimentação e Agricultura (FAO) e do Instituto da Água de Estocolmo demonstraram que até 50% da produção de alimentos é desperdiçada ou perdida entre o campo e o prato do consumidor final.

Uma pesquisa realizada em 2013 mostra que a quantidade de resíduos de alimentos coletados (como lixo) em Paris foi de aproximada de 46 kg/ano por pessoa. Um parisiense joga fora duas vezes mais alimentos, mesmo embalados, do que a média francesa. 

Por isso, foi necessário intensificar as ações contra o desperdício de alimentos na Cidade de Paris. 

Em dezembro de 2015, a administração municipal da cidade adotou um plano concreto que envolve diversos setores da sociedade. Esse plano propõe um conjunto de ações coordenadas necessárias para uma mudança de comportamento.

O Plano Estratégico Contra o Desperdício de Alimentos em Paris tem uma visão integrada e passa pela consulta aos atores locais. As ações centrais visam à redução do consumo, bem como medidas de redistribuição de alimentos ainda consumíveis.

Com a meta de reduzir pela metade o desperdício de alimento até 2025, a administração da cidade está agindo em escolas e centros de recreação, pois um terço das refeições preparadas nesses locais não é consumido. 

Para isso, os trabalhadores responsáveis estão sendo treinados e as escolas assinam um compromisso contra o desperdício. As cantinas de centros de lazer também terão novas regras e a ideia é que todas as refeições não consumidas nesses espaços sejam doadas a instituições.

Lojas que vendem produtos a granel e livres de embalagens começaram a surgir na cidade. Os consumidores levam seus próprios recipientes e compram a quantidade necessária para seu consumo, evitando o desperdício.

Outra iniciativa muito interessante foi o projeto piloto, promovido pela administração da cidade, que envolveu oitenta restaurantes de Paris. Durante um ano (2014-2015), os restaurantes passaram a recolher e reciclar os biorresíduos gerados. Ou seja, o projeto incentivou a transformação de alimentos, que antes eram desperdiçados, em eletricidade, gás natural e fertilizante. 

A criação de um aplicativo que permite aos comerciantes darem destinação correta aos alimentos próximos a vencer foi outra novidade no combate ao desperdício. Os comerciantes cadastrados adicionam a lista dos produtos no aplicativo e o valor do desconto a ser aplicado. Ao mesmo tempo, os clientes cadastrados no aplicativo, que estão próximos do local da promoção (sistema de geolocalização), recebem um alerta informando-os.

As ações são continuadas e se integram ao Programa de Prevenção de Resíduos Local (PLPD) e ao Plano de Alimentação Sustentável.

Além do Plano de Paris contra o Desperdício de Alimento, a cidade participa da Aliança da Grande Paris para a Economia Circular. Dessa aliança, pactuada em setembro de 2015, participam Paris e mais 14 municípios, que se comprometem a implementar, de forma coletiva, medidas concretas na luta contra o desperdício de alimentos. As medidas adotadas visam sensibilizar a população e promover ações de redistribuição e recuperação de alimentos e resíduos biológicos.

Ainda em 2015, a Aliança pela Economia Circular da Grande Paris apresentou um livro, que inclui uma dezena de propostas relativas à luta contra o desperdício. Esse material fortaleceu e alinhou a causa como uma das ações prioritárias das políticas municipais.
 
Nacionalmente, a aprovação de uma nova lei de combate ao desperdício foi um passo importante. Aprovada em 2015, essa lei proíbe os supermercados de jogar fora ou tornar deliberadamente alimentos impróprios para o consumo. 

Em vez de se livrarem do alimento com a data próxima de vencimento, os varejistas são obrigados a doarem para instituições de caridade e bancos de alimentos. Caso contrário, os mercados com mais de 400 m² estarão sujeitos a uma multa de 3.750 euros.

Todas essas medidas incentivou a sociedade civil a se organizar e, com isso, diversas ações de redistribuição gratuita de alimentos começaram a acontecer em Paris e em outras cidades francesas.

Objetivo:

- Reduzir pela metade os resíduos provenientes do desperdício de alimentos até 2025.

Cronograma e Metodologia:

- O Ministério da Agricultura lançou em junho de 2013, o Pacto Nacional de Luta Contra o Desperdício de Alimentos. Este pacto, que foi assinado pela cidade de Paris em julho de 2013, se baseia no compromisso de todos os atores que participam da cadeia de produção e consumo;

- O Programa Nacional de Prevenção de Resíduos 2014-2020 estabelece o objetivo de reduzir em 7% a produção de resíduos domésticos e similares (DMA) por habitante. O Plano aborda 13 áreas, incluindo a redução do desperdício de alimentos;

- A lei sobre a Energia de Transição para o Crescimento Verde, de 17 de agosto de 2015, também inclui o controle do desperdício de alimentos;

- Em 27 de agosto de 2015, os varejistas do setor de alimentos se comprometeram, por meio de um acordo assinado com o ministro da Ecologia, Desenvolvimento Sustentável e Energia, a prevenir o desperdício e utilizar o que não foi vendido;

- O Conselho Regional de Ile-de-France, em junho de 2011, aprovou um plano de ação regional de medidas para reduzir o desperdício (PREDIF) no período de 2010 a 2014. O novo PREDIF está a em vias de ser implantado;

- O Conselho de Paris votou, em fevereiro de 2012, o Programa Local para a Prevenção de Resíduos (PLPD) 2012/2015. O Plano estabeleceu como meta reduzir em 7% a quantidade de descarte por habitante até 2015 (tendo como base o ano de 2009). O novo é PLPD já está sendo implementado pela cidade;

- O Pacto Nacional de Luta Contra o Desperdício de Alimentos visa reduzir em 50% os resíduos alimentícios até 2025;

- O Plano de Alimentação Sustentável 2015-2020, votado pelo Conselho de Paris em junho de 2015, pretende atingir a meta de 50% de alimentação sustentável nos restaurantes coletivos da cidade até 2020; 

- De março a setembro de 2015, a cidade de Paris organizou a Aliança pela Economia Circular da Grande Paris.

Resultados:

- Em julho de 2013, a cidade de Paris tornou-se a primeira signatária do Pacto Nacional de Luta Contra o Desperdício de Alimentos;

- Um dos resultados dessa política foi a criação, em 2014, por uma rede francesa de supermercados, de uma campanha de combate ao desperdício. Os alimentos considerados feios e imperfeitos começaram a ser vendidos todos os dias, com 30% de desconto. O desconto também foi estendido para sopas, iogurtes e sucos produzidos com esses alimentos rejeitados. A ação foi um sucesso nas lojas da rede, desde os primeiros dias;

- A Associação "La Tente des Glaneurs" recupera as flores, frutas e legumes que não foram vendidos no mercado, mas que ainda se encontram em bom estado, e as redistribui gratuitamente para pessoas interessadas todos os domingos. A associação funciona por voluntariado e, atualmente, já realiza a distribuição em diversas cidades da França;

- No projeto-piloto realizado por um ano, com 80 restaurantes de Paris, 584 toneladas de resíduos de alimentos foram coletadas e utilizadas na produção de energia e de fertilizantes, por meio de um processo de digestão anaeróbia;

- Em abril de 2016, o aplicativo que oferece descontos para produtos próximos do vencimento e que funciona por geolocalização já contava com 200 estabelecimentos cadastrados e 45.000 clientes.

Instituições Envolvidas:

Conselho Administrativo da Cidade de Paris

Governo Nacional

Sociedade Civil

Diversas Instituições da Cidade

Fontes:

Combate ao desperdício de alimentos

Economia Circular

Iniciativas

Plano Estratégico

Pacto pela economia Circular

Lei que proíbe desperdício de comida nos mercados

Tente des glaneurs 

Reciclagem de Resíduos Alimentares

Aplicativo

 

37
última modificação: ter, 04/10/2016 - 17:41